Xilitol: Tudo O Que Você Precisa Saber

Xilitol: Tudo O Que Você Precisa Saber
9 de agosto de 2017 Alimentação Sadia

XILITOL: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER

O consumo de açúcar provavelmente é o aspecto mais maléfico na dieta moderna.

Por esta razão, as pessoas começaram a olhar para alternativas naturais, como o xilitol.

Xilitol não apenas parece visualmente, como tem gosto de açúcar. Porém, tem menos calorias e não aumenta os níveis de açúcar no sangue.

Vários estudos sugerem que pode até melhorar a saúde dentária e ter vários outros benefícios importantes.

Este artigo examina detalhadamente o xilitol e como ele pode afetar sua saúde.

O Que É e Como É Feito

O Xilitol é uma substância que é classificada como um álcool de açúcar (ou um poliol). Ela é um híbrido entre uma molécula de álcool e uma de açúcar. Devido à sua estrutura, ele tem a capacidade de estimular os receptores do sabor doce na língua.

O xilitol é encontrado em pequenas quantidades em frutas e vegetais e, portanto, é considerado natural. Os seres humanos até mesmo produzem pequenas quantidades dele através do metabolismo. É um ingrediente comum em gomas de mascar sem açúcar, doces, balas, alimentos para portadores de diabetes e produtos para a higiene bucal.

O xilitol tem uma doçura semelhante ao açúcar refinado, mas contém 40% menos calorias:

  • Açúcar: 4 calorias por grama;
  • Xilitol: 2,4 calorias por grama;

Por ser um adoçante refinado, o xilitol também não contém quaisquer vitaminas, minerais ou proteínas. Nesse sentido, ele é um composto de calorias “vazias”.

O xilitol pode ser extraído de árvores como a bétula, mas também pode ser feito por um processo industrial que transforma uma fibra vegetal, chamada xilana, em xilitol.

Apesar de álcoois de açúcar serem tecnicamente carboidratos, a maioria deles não elevam os níveis de açúcar no sangue. Há controvérsias se ele deve ou não ser contado como o consumo de carboidrato, o que contribuiu para ele ser utilizado em produtos considerados de baixo teor de carboidratos.

A propósito, não se deixe intimidar pela nomenclatura álcool de açúcar. O álcool nada tem a ver com o álcool que as pessoas consomem.

Índice Glicêmico e Picos de Insulina

Um dos efeitos negativos do açúcar é que ele gera picos nos níveis de glicemia no sangue – e também nos níveis de insulina.

Quando consumido em excesso, devido à alta quantidade de frutose, ele também leva a resistência à insulina e a diversos tipos de problemas metabólicos.

Isso acontece porque o açúcar de mesa é parte glicose (que eleva a secreção de insulina) e parte frutose (que causa resistência à insulina) – o que forma, dessa maneira, uma combinação bem perigosa para a sua saúde.

E o xilitol? Bem, o xilitol não contém frutose e tem efeitos insignificantes sobre o açúcar no sangue e na insulina. Portanto, nenhum dos efeitos nocivos do açúcar se aplicam ao xilitol.

Seu índice glicêmico (uma medida de quão rapidamente os alimentos elevam o açúcar no sangue) é algo entre 5 e 12, se comparado ao açúcar regular, que tem um índice glicêmico entre 60 e 70.

Ele também pode ser considerado um adoçante amigável para quem está querendo perder peso, uma vez que contém 40% menos calorias que o açúcar comum.

Para pessoas com diabetes, pré-diabetes, obesidade ou outros problemas metabólicos, o xilitol é uma excelente alternativa ao açúcar.

Embora isso ainda tenha que ser estudado em seres humanos, estudos com ratos têm mostrado que o xilitol pode melhorar os sintomas da diabetes e reduzir a gordura abdominal.

Saúde Bucal

Muitos dentistas recomendam gomas de mascar adocicadas com o xilitol.

Isso ocorre porque vários estudos mostram que o xilitol traz poderosos benefícios para a saúde bucal e prevenção de cárie.

Um dos principais fatores de risco para cárie dentária é um tipo de bactéria oral chamado Streptococcus mutans – que é a principal bactéria responsável pela placa bacteriana.

Embora ter um pouco de placa nos dentes seja algo normal, quando a situação sai do controle, o sistema imunológico começa a atacar as bactérias causadoras dessa placa.

Como essas bactérias orais se alimentam da glicose proveniente da comida – mas não conseguem se alimentar do xilitol – a substituição do açúcar pelo xilitol reduz o alimento disponível para as bactérias nocivas.

Mas os efeitos do xilitol vão além disso. Mesmo que as bactérias ruins não consigam se alimentar de xilitol, elas ainda o ingerem. E, quando as bactérias ingerem xilitol, elas não conseguem mais absorver glicose. Então, essencialmente, seu ciclo de produção de energia estará inutilizado e elas acabarão morrendo.

Como evidência disso, em um estudo realizado com chicletes adocicados com xilitol, os níveis das bactérias ruins diminuíram entre 27 e 75%, e ao mesmo tempo não teve qualquer tipo de efeito sobre as bactérias boas.

O xilitol também traz outros benefícios dentários:

  • Aumenta a absorção de cálcio no sistema digestivo (o que é bom para os dentes e também pode proteger contra a osteoporose);
  • Aumenta a produção de saliva (que contém cálcio e fosfato, que são absorvidos pelos dentes, ajudando na remineralização);
  • Reduz a acidez da saliva (o que ajuda a combater a degradação causada pelo ácido ao esmalte do dente);

Outros Benefícios

O colágeno é a proteína mais abundante no corpo, e é encontrada em grandes quantidades na pele e nos tecidos conjuntivos.

Há alguns estudos com ratos que mostram que o xilitol pode aumentar a produção de colágeno, o que pode ajudar a neutralizar os efeitos do envelhecimento da pele.

O xilitol também pode ajudar na proteção contra a osteoporose. Em um estudo, ele causou aumento tanto no volume ósseo quanto no teor mineral dos ossos de ratos.

E, apesar de o xilitol matar as bactérias “ruins” na boca, ele também pode alimentar as bactérias boas do intestino, o que é um ponto positivo. Em se tratando disso, ele funciona como uma espécie de fibra solúvel.

Cuidado: O Risco Para Cachorros

Nos seres humanos, o xilitol é absorvido lentamente e não tem efeito mensurável sobre a produção de insulina. Infelizmente, o mesmo não pode ser dito para os cachorros.

Quando os cães comem xilitol, seus corpos pensam equivocadamente que ingeriram glicose e começam a produzir grandes quantidades de insulina. Com isso, as células do cão começam a absorver glicose da corrente sanguínea.

Isso pode levar à hipoglicemia (níveis baixos de açúcar no sangue) e grande possibilidade de ser fatal.

O xilitol também pode ter efeitos prejudiciais na função hepática em cães.

Tenha em mente que só leva cerca de 0,1 g / kg para que um cão seja afetado, então um Chihuahua de 3 kg vai ficar doente com apenas 0,3 gramas de xilitol. Isso é inferior à quantidade contida em uma única peça de goma de mascar.

Então, se você possui um cachorro, mantenha o xilitol fora de alcance. Se você acredita que seu cão tenha acidentalmente comido xilitol, leve-o ao veterinário imediatamente.

Efeitos Colaterais e Dosagem

O xilitol é geralmente bem tolerado, mas algumas pessoas apresentam efeitos colaterais gastrointestinais quando o consomem em excesso.

Os álcoois de açúcar podem puxar água no intestino ou fermentar-se por bactérias intestinais. Isso pode levar a gás, inchaço e diarreia.

No entanto, o corpo parece se ajustar muito bem ao xilitol.

Se você aumentar sua ingestão lentamente e dar tempo ao seu corpo para se ajustar, então as chances são de que você não experimentará nenhum efeito negativo.

Dito isto, o consumo prolongado de xilitol parece ser completamente seguro.

Em um estudo, os indivíduos consumiram uma média de 1,5 kg (3,3 kg) de xilitol por mês, com uma ingestão diária máxima de mais de 400 gramas, sem nenhum efeito negativo.

As pessoas usam álcoois de açúcar para adoçar todo tipo de coisas … cafés, chás e várias receitas. Você pode substituir o açúcar com xilitol em uma proporção de 1: 1.

Conclusão

Se você quiser adoçar algo, o xilitol é uma excelente escolha.

Considerando que a maior polêmica sobre os adoçantes é saber se eles irão fazer mal a você, o xilitol acaba tendo um efeito oposto a eles – com diversos estudos mostrando que o xilitol pode trazer benefícios reais para a saúde.

Afinal de contas, ele não causa picos de glicemia nem de insulina, ele mata as bactérias produtoras da placa na boca e alimenta os microrganismos bons do intestino.

O que mais você poderia pedir de um adoçante?






Comentários Facebook